Covid-19: Cuidados ao comprar sua passagem

Tudo que se vê não é
Igual ao que a gente viu há um segundo
Tudo muda o tempo todo no mundo (Lulu Santos)

A chegada do coronavírus ao Brasil praticamente parou o transporte aéreo no país todo. Na medida em que a força do vírus diminui (ou nos acostumamos com a presença dele), esses voos vão sendo aos poucos retomados. Porém muita coisa mudou e é preciso atenção redobrada no momento de fechar a compra de sua passagem. Ao final desse artigo você entenderá tudo que envolve as viagens aéreas nesse “novo normal”.


O cancelamento dos voos criou um impasse. De um lado clientes que pagaram pelas passagens, de outro empresas aéreas impedidas de prestar o serviço para o qual foram contratadas. Clientes que muitas vezes parcelaram o pagamento e precisaram seguir pagando mensalmente por passagens que não puderam usar, empresas que precisaram seguir pagando pelas aeronaves, pelos funcionários, pelos espaços físicos nos aeroportos, mas sem poderem exercer o seu trabalho.

Diante desse quadro, o Presidente Jair Bolsonaro editou no dia 18 de março a Medida Provisória 925, que entre outras medidas, estendeu para 12 meses o prazo que as companhias áreas têm para reembolsar as passagens dos voos cancelados. As companhias aéreas ganharam um tempo maior para se reorganizarem, e os clientes ganharam a possibilidade de alterar suas viagens sem custos para data futura ou usar o valor em uma nova compra.

Mas olhando para a frente, o que isso interfere na passagem que você vai comprar hoje? Quais os cuidados a serem tomados?

Conheça aqui a história da Kiribati Turismo

Reembolso de passagens ainda mais difícil

Passagens aéreas promocionais já não eram reembolsáveis antes da pandemia. Mesmo as tarifas mais altas vinham com regras que ao pedir reembolso, o passageiro perdia no mínimo a metade o que havia pago.

A única forma de obter reembolso integral do de uma passagem era nos casos de cancelamento ou alteração significativa no horário de algum voo. E é exatamente essa possibilidade que acabou!

Agora, qualquer que seja o motivo da solicitação do reembolso de uma passagem aérea, o cliente levará pelo menos 12 meses para ter seu dinheiro de volta.

Você comprou um voo direto e agora haverá conexão? Houve alteração de horários e agora você precisará pernoitar em conexão para chegar ao destino apenas no dia seguinte? O próximo voo existente é só na semana seguinte? Suas alternativas são aceitar a reacomodação proposta pela empresa aérea ou ficar com o crédito para utilização em até um ano. Caso solicite reembolso, deverá aguardar os 12 meses.

Além disso, já começam a surgir pedidos recuperação judicial, colocando em dúvida se as empresas aéreas terão de fato caixa para realizar esses reembolsos mesmo após doze meses. Existe a possibilidade desses reembolsos nunca virem a ocorrer.

Redução drástica na malha aérea

Muitas cidades do interior tiveram seus aeroportos fechados. Mesmo voos entre grandes capitais, antes existentes de hora em hora, passaram a ocorrer apenas uma ou duas vezes por dia.

Não estranhe portanto se não encontrar mais aquele voo direto, ou com apenas uma conexão rápida. Na verdade já será uma boa notícia encontrar um voo partindo da sua cidade para o destino desejado.

Como diminuir a chance de ter problemas?

Vale lembrar que cancelamento de voos, reacomodações, busca de alternativas e monitoramento de viagens, ou mesmo pedidos de reembolso, não são nenhuma novidade na rotina de uma agência de viagens. O maior cuidado que você pode ter em sua viagem é entregá-la nas mãos de um bom profissional, em quem você confie.

Algumas estratégias vêm dando certo nos últimos meses, e compartilhamos aqui com nossos leitores:

Não compre passagem em voo que não existe!

Antes de comprar uma passagem para uma data futura, verifique em uma data mais próxima, de preferência no mesmo dia da semana, e veja se o voo desejado já está operando. Por exemplo, se você busca um voo de Imperatriz a Foz do Iguaçu no dia 18 de novembro, uma quarta-feira, verifique antes se na próxima quarta esse voo está disponível para venda.

Caso não esteja, saiba que a oferta do voo em novembro trata-se apenas de uma intenção de retomada da rota, e que isso pode não vir a se concretizar. E caso você venha a comprar essa passagem e o retorno de fato não aconteça você precisará trocar a passagem para outra data, negociar com a empresa aérea mudança da rota para uma cidade próxima, ficar com crédito para usar dentro de um ano ou…. pedir reembolso em 12 meses!

Plano B: saiba qual o voo seguinte ao seu!

Antes de fechar negócio, veja se essa empresa aérea escolhida tem outro voo no mesmo dia. Ou no dia seguinte. Alguns voos não são diários, existem cidades que contam com apenas um voo semanal e no caso de cancelamento você pode vir a ser reacomodado somente na próxima semana!

Às vezes é mais interessante pagar um pouco mais pelo voo em uma empresa que ofereça mais opções de voos na rota desejada, ou mesmo comprar passagem partindo da Capital mais próxima, de onde em geral partem mais voos.

É comum encontrarmos pessoas que pagaram mais caro por um voo partindo de alguma cidade do interior que acabou sendo cancelado, e esses passageiros reacomodados para voos partindo da Capital. Voos esses que seriam mais baratos caso tivessem sido a primeira opção de compra. E a diferença de valores nunca é devolvida pela empresa aérea.

Pernoite no aeroporto? Não é tão ruim assim!

Voos que necessitam pernoite em conexão geralmente partem no final da tarde. Assim você dorme no caminho, geralmente em São Paulo, e parte logo cedo para seu destino. É quase como um voo internacional noturno. Combine com seu agente de viagens para se possível só reservar o hotel quando seu avião decolar, assim você evita de perder o valor da diária em caso de alteração do voo.

Existem hotéis que oferecem transporte desde o aeroporto, mas em geral são oferecidos como cortesia. Quer dizer que ele pode não estar disponível quando você precisar, e o hotel não se obriga a oferecer uma alternativa. Então, de preferência a um hotel dentro do aeroporto!

E uma última recomendação: leve máscaras extras. O uso da máscara é obrigatório durante todo o voo. Vai ser mais confortável poder trocá-la, ainda mais em caso de atraso ou de quebra de alguma conexão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *